Nesta quarta-feira, 7 de março/18, a direção do Sindifort e as demais entidades sindicais dos servidores municipais reuniram-se novamente com o secretário da Sepog, Philipe Nottingham, para tratar dos demais pontos da campanha salarial 2018, já que dia 28/2 a Prefeitura apresentou a proposta de reajuste salarial.

De maneira geral não houve avanços significativos na proposta da Prefeitura, exceto a promessa de pagar na folha de abril, que os servidores recebem no início de maio, a retroatividade dos meses de janeiro e fevereiro do reajuste salarial de 2,95% em uma única parcela,  pois anteriormente a PMF propôs pagar o retroativo em maio e junho. Mesmo assim, o secretário ainda condicionou este pagamento a uma rápida tramitação do projeto de reajuste na Câmara Municipal.

O titular da Sepog apresentou algumas propostas que representam pequenos avanços com relação a política de formação  e saúde do servidor, atendimento no  IPM Saúde, programa habitacional, aposentadorias etc. Mas a Prefeitura não avançou nos pontos que poderiam atenuar o baixo reajuste salarial.

Representando o Sindifort, o vice-presidente, Eriston Ferreira, e o diretor de Mobilização, Anderson Ribeiro, insistiram que a Prefeitura avançasse em questões de maior relevância tais como:
1.Rever  reajuste de 2,95% pois o mesmo  mantém perda de 6,29% relativa aos 2 últimos anos;
2. Imediato destravamento das matrizes salariais dos PCCS;
3. Cumprimento dos anuênios;
4.  Fim do bloqueio para gozo da licença prêmio;
5. Aumento do valor do auxílio-refeição;

Não houve  acordo por parte da Prefeitura em aceitar os quatro primeiros pontos.  
Já  com relação ao aumento do valor do auxílio-refeição, esta discussão será feita no Cogefor e uma posição sobre isso será presentada em nova reunião na 2ª quinzena de março. 
O Sindifort também cobrou o cumprimento do Piso Salarial dos educadores. O secretário Philipe Nottigham  disse que  isso está sendo discutido com o prefeito e deve apresentar posição em 15 dias.

Em sua fala, o vice-presidente do Sindifort, Eriston Ferreira, deixou claro que  o prefeito Roberto Cláudio (PDT) não acata a proposta de reajuste salarial de 9,42% por opção política. Não há impedimento legal e nem financeiro para isso. Também não é por razões legais que o prefeito continua bloqueando direitos dos servidores, como a licença prêmio e os anuênios. Para Eriston,  “O que o prefeito está fazendo é  jogar mais uma vez nas costas do servidor municipal o peso da crise  fazendo economia às custas de um salário de fome. A direção do Sindifort não defende a proposta apresentada. A Prefeitura manteve o reajuste de 2,95% e não aceitou rever outros pontos fundamentais.”
Por isso a sua participação na assembleia geral do dia 8 de março, às 8h30 na sede do Sindifort, é fundamental. Na assembleia será dado informe detalhado sobre os pontos discutidos com a Prefeitura e os servidores tomarão posição sobre a questão do reajuste salarial e demais pontos de pauta. Não basta sei indignar, é preciso lutar!

Bem-Vindo!


Agenda da Luta

Cadastre seu email

Leia Nosso Informativo



 

 

 

 

       

Cartilha de direitos das mulheres

  

Atendimento Jurídico

Vídeos do Sindifort
Facebook
Twitter
Youtube